04.11.2016

Sela...Pra quê?

Os diferentes modelos de sela se adequam às modalidades para trazer mais conforto e desempenho ao conjunto

Há alguns séculos, os cavalos eram montados "a pelo”, utilizando-se somente uma manta como proteção. Hoje em dia se utiliza a sela, equipamento que se acomoda sobre a região dorso-lombar do animal, possibilitando uma cavalgada segura e confortável.

A escolha da sela deve ser feita sempre levando em consideração, principalmente, três aspectos: a adequação da sela ao cavalo, ao cavaleiro e à modalidade praticada e sua duração. O tamanho e a estrutura correta proporcionam conforto e liberdade de movimentos, sem causar dor ou machucados ao cavalo e ao cavaleiro durante a atividade. A sela se apoia na musculatura lateral do dorso do cavalo, de ambos os lados, deixando a coluna vertebral inteiramente livre de contato e pressão.

Na Clínica com Nelson Pessoa, um dos primeiros pontos analisados por este mestre do Hipismo é a adequação do tamanho da sela em relação ao cavaleiro que a utiliza. Quem acha que o tamanho da sela pode ser universal, e serve para todos que montam um mesmo cavalo, está enganado.

O tamanho ideal da sela é determinado pelo vão livre de seu assento, e essa escolha vai depender da medida do quadril do cavaleiro. O tamanho da sela é medido considerando a distância do início do assento até a traseira e esse espaço é medido em polegadas.

Utilizar uma sela apropriada ao cavalo, cavaleiro e modalidade, vai trazer conforto, estabilidade e uma perfomance diferenciada ao conjunto. Entre as selas mais utilizadas, para os diferentes esportes equestres, estão:

 

Inglesa: apesar de apresentar algumas variações, é ideal para a modalidade de salto e adestramento. Essa sela é mais rasa e não possui pito. Elas têm uma armação interna rígida e são leves, por isso ela e seus diferentes modelos predominam nos esportes equestres. 

 

 

Australiana: tem sua estrutura interna similar à sela inglesa, mas com o assento mais profundo e couro pesado, o que confere maior conforto e segurança, por isso é ideal para enduro equestre, cavalgada e para trabalhar com o gado. Seu material dá aderência para subir e descer morros.

 

 

Sela de Enduro: Com o surgimento de novas tecnologias e desenvolvimento do esporte, no Enduro de alta perfomance, são utilizadas selas extremamente leves, garantindo rapidez na hora de desencilhar o cavalo para o resfriamento, e conforto para o cavalo e cavaleiro durante as muitas horas que o conjunto passa na trilha.

 

Western ou americana: muito utilizada para modalidades como Tambor e Rédeas. Essa é a sela vaqueira americana, criada para cavalos de fazendas de gado. Por isso, apesar de pesarem o dobro da sela inglesa, podem ser ajustadas a quase todos os cavalos sem risco de machucá-los, é confortável e tem espaço para os objetos que vaqueiros costumam levar. O pito (“chifre”) na frente da sela, é originalmente utilizado para ajudar na condução do laço.

 

Portuguesa: usada em diversas modalidades, desde equitação para iniciantes, é confeccionada em couro suíno e possui tiras de metal ao longo da armação, que trazem elasticidade à sela.  

 

 

Junto à sela, são utilizados equipamentos como estribos, loros e barrigueiras, que asseguram a segurança do cavaleiro. Esses equipamentos também devem ser escolhidos com atenção de acordo com a atividade praticada. Os estribos com gaiola, por exemplo, no Enduro, são de uso obrigatório para os cavaleiros que não utilizam calçado com salto.

 

Os estribos com gaiola garantem que o pé não deslize completamente

para dentro do estribo

Além de tudo isso, a manutenção da sela e de todo o equipamento é muito importante para aumentar sua vida útil e conforto. Uma das dicas mais importantes e lembradas por Neco em sua Clínica é o uso do óleo de sela, para manter a qualidade e beleza do produto, mantendo seu couro hidradato.

 


Algumas referências:

https://goo.gl/JrXaEx
https://goo.gl/6TC7se
https://goo.gl/E3x0fU
https://goo.gl/D5mJX1
https://goo.gl/EBUiFm