23.11.2017

O hipismo pelo olhar de Gabriela Lutz

Conheça a jovem fotógrafa que trabalha mesclando duas paixões

Apenas 20 anos, mas já carrega muita experiência profissional e um futuro cheio de planos pela frente. Gabriela Lutz começou a fotografar como uma brincadeira, ainda aos 14 anos, tirando fotos dos amigos e registrando a rotina da hípica que montava. Hoje, é uma das referências em fotografia equestre no Brasil e já registrou as mais importantes competições nacionais, além de concursos internacionais, como a Nations Cup de 2016, em Wellington, na Flórida.

Para Gabriela, os concursos têm suas peculiaridades e momentos únicos para fotografar, que marcam a vida dos atletas. Mas ela conta que gosta mais do trabalho com ensaios e books: “É onde realmente posso abusar da sensibilidade, da arte e do sentimento por trás desses animais”.

Apaixonada por bichos desde pequena, sempre preferiu fotografar animais pelo lado espontâneo e mais natural deste tipo de fotografia. “E o cavalo, em especial, é fantástico. É de longe o animal que mais admiro. A essência tão própria e a capacidade de se impor que eles têm, ao mesmo tempo que se colocam tantas vezes sob nossas vontades... é um bicho excepcional”.

Neste ciclo que envolve muita paixão, onde as fotos sustentam seu cavalo para continuar praticando o esporte, e o amor pelo hipismo sustenta seu trabalho, Gabriela vive a acelerada rotina de estudante de jornalismo, enquanto ainda faz cursos de fotografias para se especializar cada vez mais em books, ensaios e fotografia fineart. Seus planos? Terminar a faculdade, fotografar concursos internacionais além do Brasil e expandir o lado artístico de seus ensaios.

Confira um pouco do trabalho de Gabriela Lutz:

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Para ver mais e entrar em contato com a fotógrafa, confira sua conta no Instagram ou acesse seu Facebook.  

Gostou do post? Então saiba mais sobre o trabalho de outros fotógrafos equestres no nosso blog: nossos parceiros Luis Carlos Ruas e João Markun, os estrangeiros Sebastiano Vitale e Juan Lamarca, ou os ensaios vistos de baixo de Andrius Burba e os cavalos selvagens de Troy Moth