08.09.2016

Atrelagem

Beleza e elegância, mas também muita adrenalina e emoção. Saiba mais sobre esse esporte que chegou há pouco tempo, mas tem ganhado espaço no território brasileiro

Esta sexta-feira, 09 de setembro, é dia de briefing e preparações para a IV Etapa da Copa Chevaux de Enduro, mas o Haras Albar também vai receber outro esporte que promete prender a atenção do público.

Marcada para às 18 horas, a apresentação de Atrelagem será feita por Carol Borja, Diretora de Atrelagem da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH), e Júlia Alvarenga, que aos 12 anos já conquistou três campeonatos brasileiros na categoria Mirim. Após a apresentação, os interessados poderão fazer um “test-drive”, e ter a experiência de conduzir animais da modalidade.

“Um grande diferencial da Atrelagem é que a pessoa pode experimentar sem ter experiência nenhuma. É completamente seguro e o instrutor pode ir ao seu lado, dando todo o auxílio necessário”, explica Carol.

Outra característica peculiar do esporte é que não existe idade para parar. O que acaba unindo diferentes gerações e torna a modalidade uma opção para toda a família. Segundo Carol, “é um esporte que requer pouco esforço físico e muita segurança, por isso é indicado para pessoas de todas as idades”.

 

A atrelagem recebe todas as idades de condutores e diversas raças de cavalos, inclusive pôneis

Semelhante ao CCE, o CCA, Concurso Completo de Atrelagem, conta com três etapas: de Adestramento, onde, em uma pista sem obstáculos, serão avaliados os andamentos em termos de liberdade, regularidade, harmonia de movimentos, e também a qualidade de condução do condutor; Maratona, que lembra o cross country, por contar com obstáculos naturais contra o relógio. Os juízes avaliam tempo gasto, resistência e estado físico dos cavalos; e a prova de Maneabilidade, um percurso entre cones e bolinhas, onde o derrube desses elementos é penalizado, e busca-se comprovar a aptidão, a obediência e a flexibilidade dos cavalos, assim como a perícia dos condutores.

Para todas essas provas, devem haver no mínimo dois passageiros na carruagem. O condutor, que é quem vai conduzir os cavalos, e os grooms, que são os auxiliares de segurança e que fornecem contrapeso nas curvas e manobras da carruagem. Para um ou dois cavalos, é necessário ter um groom, e para quatro cavalos, a carruagem deve levar dois grooms.

 

Na etapa da Maratona, os participantes devem passar obstáculos naturais, como terrenos irregulares e passagem por água

Apesar da prática de atrelagem ter sido iniciada anos antes de Cristo, a modalidade se tornou reconhecida pela Federação Equestre Internacional (FEI) somente em 1970 e, no Brasil, o esporte só foi reconhecido pela Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) em 2009.

Atualmente, a Atrelagem ainda vive uma fase desenvolvimento em território nacional, sendo praticada apenas no estado de São Paulo. Apesar de contar com poucos locais para dar aulas aos iniciantes, é um esporte extremamente receptivo. O Haras Larissa, o Haras Interagro e a Estância São Francisco de Borja são locais que oferecem aulas e a Diretora de Atrelagem da CBH, Carol Borja, coloca-se a disposição de todos os interessados para coloca-los em contato com o esporte.

 

Para saber mais, entre em contato com Carol Borja pelo telefone 19 99956-3636.
Ou acesse: http://www.estanciasfb.com.br/site/
http://www.haraslarissa.com.br/
http://interagro.com.br/