28.03.2017

Acupuntura

Tire suas dúvidas sobre a técnica que pode trazer diversos benefícios à saúde do seu animal

A palavra vem do Latim “acus”, agulha, e “puctura”, de puncionar ou furar, mas a técnica surgiu na China, há mais de 4.000 anos e, apesar de poder parecer novidade, ela foi adaptada para os animais já em 1.765 a.C., quando os cavalos de batalha dos chineses eram tratados com a técnica. Porém, foi só em 1974 que surgiu a Sociedade Internacional de Acupuntura Veterinária e, no Brasil, somente em fevereiro de 2014 a Associação Brasileira de Acupuntura Veterinária (ABRAVET) pôde começar a conceder o Título de Especialista em Acupuntura Veterinária. 

 

A Acupuntura conta com a aplicação de agulhas para buscar o equilíbrio do corpo

A Acupuntura é uma ciência que trabalha com a filosofia da harmonização, do retorno do equilíbrio do estado geral de saúde. Mas, afinal, como as agulhas podem trazer alguma melhora no nosso corpo e dos animais?

A aplicação das agulhas é feita em pontos bem definidos do corpo, os chamados “pontos de acupuntura” ou “acupontos” e são considerados a porta de entrada e saída de energia vital do organismo. Esses pontos se distribuem em linhas imaginárias chamadas “meridianos chineses”, que são condutores de energia. O corpo humano, por exemplo, tem mais de 2000 acupontos, que se conectam pelos meridianos.

Os acupontos e meridianos se estendem por todo o corpo do animal

A técnica é muito utilizada para aliviar o stress. Mas, o médico veterinário e acupunturista, Dr. Roberto Zambrano, adverte: “É importante ter consciência de que se o cavalo está muito estressado devido ao ambiente em que está inserido, fazer as sessões de Acupuntura e continuar mantendo-o naquela situação não vai curá-lo nunca”.

 Além do alívio do stress, essa técnica oriental se mostra eficaz no tratamento de doenças músculo-esqueléticas, endócrinas, nervosas, entre outras, sendo um importante meio terapêutico para combatê-las. Os efeitos no sistema nervoso acontecem pela liberação de hormônios, endorfinas e neurotransmissores, desabilita receptores e ativa químicas anti-inflamatórias.

Por isso, Dr. Roberto afirma que “a maior diferença de outros tipos de tratamento é que este método não tem química, engloba apenas técnicas físicas. Não tem aplicação de medicamentos e substâncias. Mas a interação da Alopatia com a Acupuntura em alguns casos é benéfica". Ou seja, quando o veterinário passa um medicamento, a Acupuntura pode auxiliar a torná-lo mais eficaz. 

Com o avanço da tecnologia, novas técnicas de Acupuntura foram surgindo. Como a eletroacupuntura, que utiliza impulsos elétricos para potencializar a terapia e também pode ser utilizada como anestesia

Assim, a Acupuntura funciona muito bem combinada com outras ciências e elas podem se complementar. No Brasil, essa técnica vem ganhando cada vez mais espaço, na medida que o hipismo também vem ganhando força e tradição no país.

Apesar de depender do quadro clínico de cada animal, o valor da sessão costuma variar entre 150 e 200 reais e, normalmente, elas acontecem duas ou três vezes por semana, por um período que também depende do caso a ser tratado. Atualmente, a Acupuntura também já se desdobrou em diversas outras técnicas, como a Laserpuntura, que consiste no estímulo do acuponto com o uso de aparelhos laser, ou a Acupressão, que é a massagem realizada no ponto de acupuntura.

Confira uma sessão do acupunturista inglês Mark Vale para entender um pouco mais sobre a técnica

 

Se você perdeu o primeiro post da nossa série sobre tratamentos alternativos, confira a matéria sobre Quiropraxia que postamos no nosso blog. E, para ficar por dentro das próximas postagens da série, basta acompanhar a página da Chevaux no Facebook.

 

Referências